É o canal de informações, notícias, utilidade pública, alertas, convocações, manifestos, artigos, opiniões, fotos e charges pertinentes ao Quadro de Oficiais do Quadro de Nível Superior da Brigada Militar do RS. Será administrado com ética e respeito às autoridades, às demais categorias e ao comando da Brigada Militar.

“MULTUM ENIM ADICIT SIBI VIRTUS LACESSITA”.Sêneca.

A FRENTE

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

CRÍTICAS À BRIGADA MILITAR

Tarso diz que inteligência só “vigia movimentos sociais”. Governador critica resultados da investigação de protestos de PMs e quer mudar foco investigativo - CARLOS WAGNER, ZERO HORA 28/09/2011

Uma linha menos ideologizada e mais focada na investigação. É esta a mudança almejada pelo governo Tarso Genro para 2ª Seção do Estado Maior da Brigada Militar, ou PM2, como é conhecido o serviço de inteligência da BM. O posicionamento do governo ficou explícito ontem em entrevista em que o governador, ao comentar o andamento da investigação dos protestos clandestinos de PMs, criticou o setor de inteligência por “estar preparado para vigiar movimentos sociais”, mas despreparado para investigar crimes envolvendo integrantes da corporação.

Com a justificativa de que seu trabalho é de “natureza sigilosa”, o major Alberi Rodrigues Barbosa, encarregado da PM2, anunciou que não se pronunciaria sobre as declarações do governador, feitas em entrevista ao programa Gaúcha Atualidade, da Rádio Gaúcha.

Ontem, vazou a informação de que a inteligência da Brigada Militar trabalha com uma lista de cinco nomes envolvidos nos dois protestos ocorridos nos arredores do Palácio Piratini, um deles, no dia 16 de setembro, com um explosivo de verdade (embora sem detonador). O ato é interpretado por um fonte ligada ao governo como “mostra de serviço” diante da irritação de Tarso com a morosidade da investigação, o que poderia servir de estopim para a reformulação na PM2.

– Eles sentiram que a cabeça estava se afastando do corpo – comenta uma fonte, insinuando demissões iminentes.

O secretário da Segurança, Airton Michels, que vem sendo os olhos e os ouvidos do governador no acompanhamento das investigações sobre os protestos clandestinos, soube pela Rádio Gaúcha da existência da lista de suspeitos.

Mudança de enfoque foi recomendada a oficiais

Jair Krischke, conselheiro do Movimento de Justiça e Direitos Humanos (MJDH), um dos primeiros no Rio Grande do Sul a pedir mudanças na PM2, faz coro às declarações do governador sobre o foco necessário para o setor da Brigada.

– Em uma sociedade democrática, o serviço de inteligência é fundamental para auxiliar as forças policiais no combate aos criminosos. É necessário que a PM2 deixe de lado a Guerra Fria e passe a viver na democracia – avalia o especialista.

Agentes da inteligência já vêm sendo deslocados para o combate a quadrilhas criminosas. Documentos que circulam entre os oficiais da BM recomendam a mudança. Mas, como um deles declara, a mudança de foco mexe em uma questão cultural do serviço de inteligência, que não se altera da noite para o dia. Mesmo que o governador decrete.


Tenente investigado nega envolvimento

Investigado pelo serviço de inteligência da BM, a PM2, como um dos responsáveis pela colocação de uma bomba a um quarteirão do Palácio Piratini, o tenente Alex Caiel reagiu ontem com uma gargalhada. O episódio foi considerado pelo governador Tarso Genro como “ato criminoso”.

Zero Hora apurou que o nome de Caiel encabeça uma lista de cinco pessoas apontadas pela PM2 como possíveis envolvidos nos protestos. Os demais nomes não foram obtidos pela reportagem.

No fim de semana, na casa de um dos cinco suspeitos, foi cumprido um mandado de busca e apreensão, sem resultados. Caiel é ex-candidato a deputado federal pelo PSOL e atual diretor de assuntos políticos da Associação dos Sargentos, Subtenentes e Tenentes da BM (Asstbm). Na tarde de ontem, na sede da entidade, ele negou envolvimento nos protestos.

– A minha candidatura pelo PSOL é pública. A minha vinculação com a Asstbm também é oficial. Portanto, não tenho nada a esconder. Acredito que meu nome tenha surgido porque alguém lá dentro do governo quer mostrar trabalho e está misturando as coisas para tirar o foco da questão salarial – afirma Caiel.

O presidente da entidade, Aparício Santellano, reforça o argumento:

– Somos contra e jamais concordaremos com ações desse tipo. O que temos é uma luta salarial, nada mais.

O QUE DISSE TARSO

O governador Tarso Genro foi questionado pelos jornalistas Rosane de Oliveira e Daniel Scola no programa Gaúcha Atualidade sobre as investigações dos protestos clandestinos de PMs. Confira as declarações sobre os principais temas:

Investigação - Os aparatos de inteligência da BM não estavam preparados para fornecer informações para seus comandantes e para o governador a respeito de situações como essa. Eram aparatos voltados para outro tipo de concepção. Temos de trabalhar na concepção preventiva. As informações têm de vir para o centro do governo, para ele tomar medidas preventivas para evitar que as coisas ocorram. O aparato de inteligência não estava preparado para isso. Certamente esteve preparado para vigiar movimentos sociais, tratar de questões criminais relacionadas a pessoas de fora da corporação, então, vamos ter de fazer, sim, uma reformulação nos aparatos da inteligência.

Corporativismo- Pode haver corporativismo, mas é residual. A questão fundamental é a falta de preparo técnico e institucional para que o governo pudesse tomar medidas preventivas e acauteladoras para que isso (a onda de protestos) não ocorresse.

Comando-geral - O coronel Sérgio (Abreu, comandante-geral da Brigada Militar) está fazendo um excelente trabalho, tem confiança integral, essa demora é natural, pois o método de investigações exigem maior cuidado, não violação de direitos. O trabalho será bem feito, não posso dar prazo.

Bombas - Isso certamente tem uma relação com o crime organizado. São marginais que podem ter alguma relação com alguém da ativa da BM, mas não está no contexto das negociações salarial e terão respostas do Estado. Vamos responsabilizar as pessoas.


COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - Como há desinformação das atividades da Brigada Militar, os críticos colocam hipóteses falaciosas. Há muito a BM deixou de vigiar a esquerda, direita ou liderança de movimentos ditos sociais. Os maiores problemas estão no descaso com a corporação, na partidarização dos brigadianos, nas distorções salariais, na redução substancial dos efetivos, nos desvios de atribuições e de pessoal, no enfraquecimento do Comando Geral e na desvalorização dos quadros. Os que governam e governaram o RS não falam disto, pois não querem entrar nos verdadeiros motivos desta rebeldia que está aflorando dentro da Brigada Militar.

Há um ditado que diz: "onde não há justiça, aparecem os bandidos, os rebeldes e os justiceiros". E não está havendo justiça, a rebeldia contamina as normas militares, a hierarquia, a disciplina, o respeito, a servidão e a obediência devida. A solução não é só o rigor da lei, mas o resgate da dignidade, dos direitos e do valor da profissão policial militar.

Entretanto, é importante que a BM identifique e expulse os autores dos protestos com supostos explosivos porque terrorista não se admite nos quadros da Brigada Militar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário